domingo, 13 de Julho de 2014

2014/15 - A mudança de paradigma

Esta nova época traz algumas novidades. Sendo que a maior delas, quanto a mim, mais do que o treinador ou a habitual dezena de jogadores, é a mudança de paradigma que se nota no que toca às contratações e gestão do plantel.

Por partes. Depois do falhanço total da última época, era evidente que alguma coisa tinha de ser feita. E do que transparece, algo aconteceu.

1. Antero parece ter sido claramente esvaziado de poderes. Voltou a ser um mero director sob as ordens da SAD e do treinador, perdendo o posto de director-geral (mesmo que não perca o nome) e de substituto do todo-poderoso presidente.

2. O maior envolvimento do presidente novamente. Para além de dar entrevistas, parece ser evidente que o seu envolvimento com a construção do plantel é muito maior, a começar pela escolha do treinador e pelos poderes que lhe parece ter conferido - muito mais próximo de um manager inglês do que do treinador português.

3. A escolha do perfil de treinador bem diferente do habitual. Porque se era normal apostar em treinadores sem nome e para completarem a sua formação de azul e branco antes de serem vendidos, não era normal que eles tivessem caracteristicas de formador de jovens jogadores tão marcadamente como este tinha - nesse aspecto o mais próximo havia sido Jesualdo que foi contratado numa emergência mais pela experiência que detinha do que pela caracteristica formadora de ter trabalhado com as camadas jovens das selecções. Esta aposta em Lopetegui parece ser uma viragem e um assumir que a formação e os jovens jogadores (mesmo que não venham directamente da nossa formação) são a melhor aposta de futuro.

4. Os poderes que o treinador recebeu para construir o plantel parecem ser uma novidade absoluta. Até hoje apenas o presidente tratava disso, com a excepção dos últimos dois ou três anos onde parece ter sido Antero o homem de mão do presidente que montou os planteis, negociou com os empresários e escolheu os nomes de treinadores e jogadores a contratar. O poder que Lopetegui está a ter, de telefonar aos jogadores que quer para os convencer a vir, a mexer-se no mercado e a escolher e impor os nomes que quer em vez de receber os jogadores que a SAD quer é algo que, se não é novo, é quase - que me lembro apenas Robson e mais tarde Mourinho terão tido essa autorização do presidente de escolher quem queriam, mas nunca em quantidade e possibilidade como agora Lopetegui está a ter.

5. O regresso de Jorge Mendes - ou o afastamento dos empresários de segunda eleitos pelo Antero. Não sendo infalivel, é certo que Jorge Mendes representa uma carteira de jogadores quase inigualável e tem contactos preferenciais com quase todos os maiores clubes do mundo, em especial os mais endinheirados. Aliás, a transferência de Fernando por 15 milhões e, acima de tudo, a transferência iminente de Mangala por 40 milhões, devem ter muito a ver com a sua (re)aproximação ao clube, que começou com a colocação do treinador.

6. A vinda de jogadores por empréstimo, alguns sem ter sequer opção de compra, como o Oliver e de outros já com idade avançada para se valorizarem, como o Adrian. Isso significa que, apesar de a aposta de formar jogadores jovens para mais tarde os vender por valores muito altos (como foi James, como é agora Mangala) ser para manter, o treinador detetou lacunas na qualidade do plantel ao nível de algumas posições que não se compadeciam com o tempo necessário para formar esses jogadores e precisou de opções imediatas para certas posições, que lhe dessem garantias de chegar e jogar ao mais alto nível imediatamente. Isto deve significar também que a SAD deve precisar que o clube no minimo se qualifique directamente para a LCE no final da época (preferencialmente com o titulo de campeão) e que o jogo de Julho/Agosto de qualificação para a LCE desta época é fundamental para o sucesso económico imediato desta época - o que poderá estar em causa, quanto a mim, é a manutenção ou não de Jackson, que como ninguém deve avançar com a clausula de rescisão, só deverá sair se o FCP não conseguir entrar na LCE, caindo para a Liga Europa e implicando uma receita extraordinária via venda para compensar a que não entrará via receitas de TV e pontos da LCE.

7. A aposta fortíssima no mercado espanhol - boa parte dos novos jogadores da próxima época parecem vir directamente do campeonato espanhol: Oliver e Adrian já chegaram e é para serem titulares, mas poderão estar aí a chegar mais como Tello, Illarramendi, Ibrahimi (argelino a jogar em Espanha) e mais um central e um guarda-redes que poderão vir também de Espanha (se bem que se fale de um central alemão e ainda do central/defesa-esquerdo Indi da Holanda). Esta aposta é, quanto a mim, muito arriscada, pois depois do grupo de portugueses, da escola de samba e do grupo de sul-americanos que já dividia o balneário (como se via pelas fotos do Instagram de vários jogadores que só se dão maioritariamente na vida fora do clube com os respectivos compatriotas) agora ainda teremos mais um grupo de flamenco... sendo que estes espanhóis estão todos altamente conotados com o treinador e em pouco tempo corre-se o risco de estes serem os "meninos" do Lopetegui e os outros acharem que esses é que devem resolver os problemas. Quem não conhecer os egos dos jogadores, que atire a primeira pedra. Isto sem falar que, se por azar ou algum motivo, o treinador não ficar muito tempo, vamos ficar com uma quantidade enorme de jogadores conotados com este que provavelmente irão ser sacrificados pelo sucessor.

Enfim, acho que estão a criar condições para se fazer uma boa época. Mas há também ali muitos factores que podem fazer com que tudo dê para o torto. Nunca, como este ano - mais até do que o ano passado - temi de incerteza pelo que pode acontecer esta época. O FCP está obrigado a vencer - se os lampiões conseguem o 2º titulo consecutivo, vai ser um quebrar de uma rotina instalada de mais de 20 anos em que vencem um titulo isolado de vez em quando e pode lançar o nosso clube numa nova fase de lutas e guerrilhas internas porque PdC já não tem a força (ou a saúde, se preferirem) de outros tempos para estas batalhas.

Por tudo isso nunca desejei tanto como este ano ganhar o titulo. Espero que os adeptos, jogadores, técnicos e dirigentes percebam bem tudo o que está em jogo neste momento. E que esta mudança de paradigma seja positiva e um novo período de grandes vitórias para o clube - única forma de se conseguir uma transição presidencial pacifica e não destruir um trabalho de 30 anos.

domingo, 10 de Novembro de 2013

O complicado momento da transição

Mais uma vez agitam-se as águas no Dragão e vê-se que o "barco" que a SAD lidera tem buracos.

Se, quanto a mim, era indiscutível que Vítor Pereira tinha de sair, a questão que então coloquei é se Paulo Fonseca era a melhor opção para o substituir.

Daquilo que fui vendo até agora, não é.

Não trouxe nada de novo positivo. Tem resultados do ponto de vista qualitativo e quantitativo semelhantes à primeira época de Vitor Pereira. E é, claramente, um treinador "em construção", como era o Vitor Pereira, como era o André Villas Boas, como era o José Mourinho. Com a diferença que este é um génio, o outro é acima da média e portista de corpo e alma. E os dois primeiros não são génios nem acima da média e só um deles, o anterior, era portista, o que não sendo uma qualidade enquanto treinador, pelo menos ajudava a relativizar as criticas.

Paulo Fonseca foi, claramente, um erro de casting. Está mais para Quinito do que para Mourinho.

Por outro lado, também a politica de aquisições esta época deixou a desejar. Apenas Quintero parece ser daqueles que vão dar algum rendimento (desportivo e financeiro) e Josué ou Licá não parecem ter capacidade para se afirmarem num FC Porto de primeira qualidade (algum deles conseguiria ser titular no FC Porto de AVB?) e os mexicanos não me convencem.

Creio que a aposta na formação de treinadores para depois os revender, à semelhança do que fazem com os jogadores, não é a ideal. O FC Porto precisa de se afirmar desportivamente na Europa e em Portugal para crescer financeiramente para o patamar seguinte. E se isso implica uma política agressiva de compra e venda de jogadores, que não me agrada mas que compreendo, julgo que implica também treinadores experientes e com capacidade de rapidamente sublimar as capacidades de cada novo reforço em prol do colectivo. Vitor Pereira ou Paulo Fonseca não são deste tipo.

Não sei como vai a SAD resolver este problema. Estou convencido que eles já perceberam que houve um erro de casting, mas parece-me que vão continuar agarrados ao plano que traçaram aquando da contratação do Paulo Fonseca ao Paços de Ferreira - o que significa que, a não ser que uma catástrofe de resultados sucessivos aconteça,  só no final da época poderá ser retirado do comando da equipa. E entretanto, seja o que Deus quiser, porque vamos ter mais uma época de sofrimento, como tivemos com VP em 2011/12. Até poderemos ser campeões como então fomos, mas será muito por demérito dos adversários também...

domingo, 18 de Agosto de 2013

O plantel 2013-14

A época está lançada, já com um título na bagagem e hoje começa o longo campeonato, 30 batalhas até ao tetra final!

Neste momento, infelizmente e como vimos nas temporadas anteriores, não é certo que o plantel esteja fechado e que estes 28 jogadores que hoje fazem parte do tri-campeão sejam aqueles que, pelo menos até Janeiro, venham a defender o clube.

Dos 28 jogadores parece-me ser um plantel excessivamente comprido. Com o advento da equipa B e com a polivalência de alguns dos elementos, parece-me que uns 24/5 jogadores seriam mais que suficientes. Podendo usar 11 por jogo e ter 6 suplentes, neste momento tem outros 11 que não são chamados. Isto pode criar descontentamentos e clivagens no balneário, o que não é positivo.


Analisemos então por sectores.

Guarda-redes: Helton, Fabiano, Bolat e Kadú.
Helton continua dono e senhor da baliza, Fabiano é claramente a aposta para lhe suceder. Mas o surgimento de Bolat trouxe alguma incógnita. Kadú é aposta de futuro e será o guarda-redes da equipa B. Sinceramente, não percebi a entrada de Bolat - ou Helton ameaçou sair e ele veio para colmatar essa possibilidade e receio, ou então será para se adaptar ao país, lingua, comidas e clube para no próximo ser o suplente de Fabiano. Em todo o caso, parece-me que seria um jogador a emprestar para rodar.
Conclusão: 1 guarda-redes a mais.

Defesa: Danilo, Maicon, Fucile, Reyes, Mangala, Abdoulaye, Alex Sandro e Otamendi.
São 3 laterais e 5 centrais. Se nas laterais parece-me que temos o grupo equilibrado, porque se os brasileiros serão normalmente os titulares, o uruguaio bem regressado será uma alternativa consistente e boa a qualquer um deles. Por outro lado, no centro da defesa temos excesso de gente. Quatro chegam perfeitamente, até porque há um 5º jovem de excelente valor na equipa B, Tiago Ferreira, que acredito que se venha a transformar num central de nível internacional num futuro próximo. Por isso, se Mangala e Otamendi parecem ser os titulares indiscutiveis, todos os restantes, Maicon incluido, parecem-me ter hipóteses de serem emprestados - a não ser que algum tubarão venha "caçar" no viveiro do Dragão, o que segundo os jornais poderá acontecer mesmo a qualquer momento.
Conclusão: um central a mais.

Médios: Lucho, Josué, Quintero, Herrera, Carlos Eduardo, Fernando, Defour e Tiago Rodrigues.
Primeiro problema: continua a haver só um trinco de origem, pior ainda após a saída de Castro que era, entre todos os médios, aquele que mostrava mais apetência para esse lugar. Depois, entre os restantes, há pelo menos 2 que podem cair nas alas e ser lá usados: Quintero e Josué. Sobram pelo menos Lucho, Herrera, Carlos Eduardo, Defour e Tiago Rodrigues para 2 lugares, sendo que um é quase exclusivo de Lucho pelo que há 4 jogadores para o 2º médio que este ano, a avaliar pelos primeiros jogos, irá jogar mais recuado e próximo de Fernando, ficando Lucho mais livre como um 10. Mas também aqui o nome de Fernando surge como incógnita se fica ou não, pois há tubarões na costa a rondar e é conhecida a sua apetência para querer sair. Que vão haver saídas aqui, não duvido. Mas não sei se serão por dispensa de excesso ou se por venda de titulares. E saindo alguem como Fernando, não sei se não chegará mais alguem. Sabendo que talvez Tiago e Herrera passem mais tempo na equipa B que neste plantel, penso que entre estes e Carlos Eduardo e Josué, pelo menos 2 deverão não ficar até ao final da época.
Conclusão: dois médios a mais.

Atacantes: Iturbe, Jackson, Ghilas, Izmaylov, Varela, Licá, Ricardo e Kelvin.
Aqui temos dois pontas de lança, Jackson e Ghilas, e os restantes são 6 extremos. Se os pontas de lança são poucos para uma época tão longa (penso que este ano talvez Vion seja mais vezes chamado, em lugar de Sebá que mesmo utilizado algumas vezes não convenceu os dirigentes a comprarem-no) já os extremos parecem-me em demasia, até porque dois do médio são alternativas a jogarem nas alas. Novamente aqui entra o factor mercado (é sabido que Varela tem interessados) e não me parece que Iturbe e Izmaylov aceitem de bom grado serem suplentes, pelo que as saídas que irão acontecer poderão passar por um destes 2, ou até os 2, e outro entre Ricardo e Kelvin se só sair um dos dois primeiros.
Conlusão: dois extremos a mais.

Ou seja, só na primeira semana de Setembro deverão estar esclarecidas estas dúvidas. Até lá, podem sair por vontade do treinador jogadores, podem sair por vontade dos próprios jogadores e podem até entrar novos reforços se sairem alguns dos mais influentes jogadores.

Em todo o caso, continuo a acreditar que o FC Porto é o mais forte candidato ao título, rumo ao tetra!

domingo, 11 de Agosto de 2013

Jogo 1 - FC Porto, 3 x Vitória, 0 - Penta na Supertaça!

Helton, Fernando, Mangala, Jackson, Fucile e Otamendi; Licá, Defour, Lucho, Alex Sandro e Varela.


Terminada a pré-época com resultados positivos, nova época a doer se inicia, para nós e quase habitualmente com o primeiro título em disputa - a Supertaça de Portugal.

E, para não variar, com nossa vitória - a 5ª consecutiva, a 20ª na prova desde 1979, data da criação da prova.

É sempre bom e motivante começar a ganhar! É um bom embalo para uma boa época onde, como habitualmente, estaremos presentes em 5 frentes: Supertaça, Campeonato, Taça de Portugal, Taça da Liga e Liga dos Campeões. 3 deles são para ganhar: Supertaça, Campeonato e Taça de Portugal. Um é para rodar jogadores, mas espero que seja com o pensamento na vitória final: Taça da Liga. E por fim, a Liga dos Campeões, cujo objectivo para mim passa por fazer melhor que na época passada e, porque não, sonhar então com uma ida à final... e ganhá-la (porque as finais são para se ganhar...)!

Sobre este jogo de Aveiro, um Vitória muito verde e tenrinho para um FC Porto sem grandes novidades nas suas pedras, que não no seu jogo.

O FC Porto que começou de inicio trazia apenas uma novidade em relação à época passada - o surpreendente Licá - e. se quiserem, o Fucile, mas este talvez mais pelo castigo de Danilo do que por si próprio. As saídas de James e Moutinho e ausência de Danilo foram compensadas de 3 formas diferentes: com recurso a uma contratação, com recurso a regresso de empréstimo e com recurso ao 12º jogador mais usado na época passada, Defour.

Já o jogo apresentado, mormente na 1ª parte, foi algo diferente, para melhor, que no ano anterior vi os jogadores fazerem. Sem deixarem de ter posse de bola, sem deixarem de pressionar alto, fizeram-no com maior intensidade e mostraram movimentações de subida das alas e apoio dos médios ao ataque interessantes. Para além disso,  a descida de posição de Defour para o lado de Fernando deixou Lucho como um 10 e patrão e pensador do meio campo ofensivo. Resultados? Bons... muito bons, em 16 minutos já estávamos a ganhar 2-0 com golos de Licá (que melhor estreia pelo seu clube do coração poderia sonhar este jovem?) e Jackson (aquela máquina...) e em cima do intervalo ampliou para 3-0, resolvendo o jogo aí.

Na segunda parte o jogo decaiu um pouco, quer porque o FC Porto abrandou, quer porque  o Vitória rectificou um pouco o seu jogo defensivo, mas ainda ficaram a dever alguns golos à contabilidade final do marcador, sendo que o Vitória nem uma oportunidade conseguiu criar o jogo todo.

Confesso que estou entusiasmado para esta nova época, mas receoso pelos dias que  faltam até ao fecho do mercado em princípios de Setembro na Rússia - temos um plantel forte e equilibrado no momento, mas o ataque às nossas principais figuras pode acontecer a qualquer momento e a vida pode ficar complicada para Paulo Fonseca...


FICHA DE JOGO

FC Porto-Vitória de Guimarães, 3-0
Supertaça Cândido de Oliveira
10 de Agosto de 2013
Estádio Municipal de Aveiro

Árbitro: Artur Soares Dias (Porto)
Assistentes: Rui Licínio e João Silva
Quarto árbitro: Rui Silva (Vila Real)

FC PORTO: Helton; Fucile, Otamendi, Mangala e Alex Sandro; Fernando, Defour e Lucho (cap.); Varela, Jackson Martínez e Licá
Substituições: Varela por Josué (63m), Defour por Quintero (76m) e Licá por Kelvin (86m)
Não utilizados: Fabiano, Maicon, Ghilas e Herrera
Treinador: Paulo Fonseca

VITÓRIA DE GUIMARÃES: Douglas (cap.); Pedro Correia, Josué, Paulo Oliveira e Addy; Moreno, André e Barrientos; Marco Matias, Tomané e Crivellaro
Substituições: Crivellaro por Leonel Olímpio (intervalo), Tomané por Maazou (intervalo), e André por Ricardo (76m)
Não utilizados: Assis, Freire, Luís Rocha e Hernâni
Treinador: Rui Vitória

Ao intervalo: 3-0
Marcadores: Licá (5m), Jackson (17m) e Lucho (45m)
Cartões amarelos: Moreno (81m)
Cartões vermelhos: nada a assinalar


PONTO DE SITUAÇÃO 
1 vitória, 0 empates, 0 derrotas
3 golos marcados, 0 sofridos
1 título conquistados, 4 títulos em disputa

segunda-feira, 29 de Julho de 2013

Pre-Season #5 - FC Porto, 1 x Celta de Vigo, 0

Mais de 2 meses depois do último jogo no Dragão, a 11 de Maio, da celebrada vitória sobre os lampiões aos 92 minutos, o nosso estádio voltou a ver um jogo de futebol.

Não vi (pois aqui em Macau eram 3:30 da manhã e tinha de me levantar pelas 6:15...) mas do li e do resumo que já pude ver, parece-me que foi, talvez, o mais fraco dos jogos da pré-época até ao momento.

O que não é preocupante, pois estes jogos servem para isso mesmo: testar diferentes soluções e as coisas correrem menos bem. No final, ganhou-se o jogo (o que é importante para a moral e a estatística) e puderam-se ver e rever os jogadores que nos vão encantar esta época, não tenho dúvidas.

Penso que PF ainda não terá definido nem a equipa base nem, tampouco, o plantel que ficará às suas ordens a partir de 1 de Setembro - em parte porque isso não depende dele graças às cláusulas de rescisão, em parte porque ainda poderá chegar mais algum reforço de peso, a confirmar-se Bernard.

No fim de semana, em Londres, finalmente jogos a sério com adversários de uma mais valia digna de respeito - digna de Liga dos Campeões - como são o Galatasaray e o Nápoles. E, aí sim, nos últimos testes antes do primeiro jogo a doer da época (a Supertaça a 10 de Agosto) acredito que iremos começar a ver as mais valias deste plantel. No qual eu confio muito mais do que no ano passado, a começar pelo treinador e a terminar no melhor e maior número de opções disponíveis neste momento, malgré a saída do Moutinho... que foi um portista de corpo e alma ao publicar fotos a assistir pela tv à apresentação do jogo!

FICHA DE JOGO

FC Porto-Celta de Vigo, 1-0
Jogo particular
28 de Julho de 2013
Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 45.309 espectadores

Árbitro: Hugo Pacheco (Porto)

Assistentes: Alexandre Freitas e Filipe Ramalho
Quarto árbitro: Daniel Cardoso

FC PORTO: Helton; Danilo, Otamendi, Mangala e Fucile; Fernando, Defour e Lucho (cap.); Iturbe, Jackson Martínez e Varela
Substituições: Helton por Fabiano (intervalo), Iturbe por Kelvin (intervalo), Defour por Josué (intervalo), Fernando por Castro (72m), Varela por Licá (72m), Otamendi por Abdoulaye (72m), Fucile por Maicon (72m), Lucho por Quintero (85m) e Jackson por Ghilas (85m)
Treinador: Paulo Fonseca

CELTA DE VIGO: Yoel; Cabral, Jonathan Vila e Fontàs; Hugo Mallo, Borja Oubiña (cap.), Augusto, Álex López e Toni; Charles e Orellana
Substituições: Augusto por Michael Krohn-Dehli (32m), Yoel por Sergio (intervalo), Charles por Rafinha (intervalo), Fontàs por Goldar (intervalo), Orellana por Nolito (intervalo), Álex López por David (intervalo), Vila por Tuñez (63m), Hugo Mallo por Belvis (68m), Borja Oubiña por Madinda (68m), Toni por Yelko (68m), Cabral por Borja (68m) e Michael Krohn-Dehli por Fernan (78m)
Treinador: Luis Enrique

Ao intervalo: 1-0
Marcadores: Jackson (12m)
Cartões amarelos: Toni (67m) e Nolito (90m+2)
Cartões vermelhos: nada a assinalar

sexta-feira, 26 de Julho de 2013

Pre-Season #4 - Milionários, 0 x FC Porto, 4

FICHA DE JOGO

Millonarios-FC Porto, 0-4
Jogo de Preparação
25 de Julho de 2013
Estádio El Campín, em Bogotá (Colômbia)

Árbitro: Juan Soto (Venezuela)
Assistentes: Wilson Berrío e Luzmila Gonzalez (Colômbia)

MILLONARIOS: Delgado; Ochoa, Yoiver Gonzalez, Andrés Cadavid e Luis Mosquera; Jhonny Ramírez, Rafael Robayo, Mayer Candelo e Harrison Otálvaro; Erick Moreno e Rentería
Substituições: Róbinson Zapata e Deison Moreno por Delgado e Mayer Candelo (ao intervalo), Leudo e Asprilla por Rentería e Robaydo (73m)
Treinador: Hernán Torres

FC PORTO: Helton; Danilo, Otamendi, Abdoulaye e Alex Sandro; Castro, Lucho (cap) e Josué; Licá, Kelvin e Jackson Martínez
Substituições: Mangala por Alex Sandro (61m); Izmaylov por Licá (67m); Diego Reyes, Herrera e Ricardo por Abdoulaye, Josué e Kelvin (79m)
Treinador: Paulo Fonseca

Ao intervalo: 0-1
Marcadores: Danilo (29m, 52m e 72m), Jackson Martínez (85m)

segunda-feira, 22 de Julho de 2013

Pre-Season #3 - Anzoátegui, 2 x FC Porto, 4

No final do jogo, nova vitória na pré-época, por 2-4.

Estando a perder 2 vezes, de ambas deu a volta e acabou por vencer o jogo no final. Mas é preocupante a forma como os dois golos foram sofridos...

Muito trabalho na defesa espera ainda o Paulo Fonseca.


FICHA DE JOGO

Deportivo Anzoátegui-FC Porto, 2-4
Jogo de Preparação
21 de Julho de 2013
Estádio José Antonio Anzoátegui, Venezuela

Árbitro: Maiker Moreno (Venezuela)
Assistentes: Adrian Cabello, Tulio Moreno e Jorge Urrego (Venezuela)

DEPORTIVO ANZOÁTEGUI: Edixon González; Camacho, Granados, Fuenmayor, Pernía, Calzadilla, Ricardo Martins, Escobar, David Moreno e Edwin Aguilar.
Substituições: Edwin Aguilar por Oscar Briceño (71m), Ramírez por Calzadilla (75m) e Jhony González por Escobar (82m)
Treinador: Juvencio Betancourt

FC PORTO: Fabiano; Fucile, Maicon, Mangala e Alex Sandro; Fernando, Defour e Carlos Eduardo; Iturbe, Varela e Ghilas.
Substituições: Danilo, Lucho e Jackson por Fucile, Carlos Eduardo e Ghilas (46m), Herrera por Defour (77m) e Castro por Fernando (82m)
Treinador: Paulo Fonseca

Ao intervalo: 1-0
Marcadores: Edwin Aguilar (39m), Jackson (53m), Fuenmayor (62m), Mangala (63m), Varela (65 e 94m)
Cartões amarelos: Edwin Aguilar (51m), Maicon, Fernando e Lucho (60m).

domingo, 14 de Julho de 2013

Pre-Season #2 - Marselha, 0 x FC Porto, 3

Confirmado ontem, Quintero, o jovem colombiano clonado do James
Ao segundo jogo, de quilate mais elevado, nova vitória expressiva, por 3-0 contra uma das melhores equipas francesas.

Entrada algo complicada no jogo com algumas desatenções defensivas (PF vai ter de dar muita atenção ao sector que há várias épocas tem sido estável na sua constituição mas que apresenta defeitos de atenção graves que venho chamando a atenção desde os tempos de AVB, mas em particular nas épocas de VP) que não resultaram em golo frances mas que, após o futebol da nossa equipa começar a assentar, reverteram em golos mas a nosso favor.

Ajudou também a infantilidade de um francês que foi expulso aos 39 minutos após pontapear uma bola contra as partes baixas do Fucile depois de ter feito falta sobre ele. E por falar em Fucile, este foi a maior surpresa do onze inicial, quase decalcado da época passada (apenas Izmaylov destoava pela presença e Varela pela ausência) e com Josué no lugar de Moutinho, naquilo que parece começar a ser uma aposta consistente de PF e a que Josué tem conseguido dar boa resposta. Fucile vai dar tempos difíceis a Danilo e prevejo para breve, à semelhança da época passada, declarações do brasileiro a dizer que precisa de mais minutos de jogo para mostrar o seu futebol...

Do jogo, diria que mais uma vez a primeira parte foi bem melhor que a segunda (até pelo facto de não ter tido substituições) mesmo que na 2ª houvesse mais golos que na 1ª, natural até pela superioridade numérica do FC Porto.

Gostei do Lucho (não sabe jogar mal) e do Josué, do Kelvin e do Jackson, um verdadeiro matador. Mas também do Iturbe que está a mostrar o futebol que vi praticar no mundial de sub20 há dois anos e do Ghilas, bem como do Tiago Rodrigues, uma boa surpresa que está a ganhar terreno a Carlos Eduardo, na minha perspectiva. Dos mexicanos, que se estrearam, vi muito pouco, não me encheram o olho com nada de especial, mas também não me desiludiram. Licá esteve abaixo do último jogo, mas não esteve mal. Continuo a pensar que o plantel está mais equilibrado que o ano passado (a presença de Fucile é fundamental para dar concorrência quer a Danilo, quer a Alex Sandro, tendo ontem passado pelos dois corredores defensivos) e a abundancia de alternativas no meio campo é equilibrada e permite ao PF apostar no plano B que falei do primeiro jogo - ontem Herrera entrou mais atrás e emparelhou com Defour mais atrás de um Carlos Eduardo a jogar na posição 10. E agora que é oficial a contratação de Quintero, um 10 por excelência, parece-me que essa táctica faz todo o sentido para desencravar certos jogos.

Vi também jogadas bem trabalhadas pelos jogadores, a demonstrarem já evolução táctica decorrente dos treinos e gostei do que vi.

Estou optimista para a época que aí vem, acho que somos claramente favoritos para o tetra!

FICHA DE JOGO

Marselha-FC Porto, 0-3

Jogo de Preparação
13 de Julho de 2013
Estádio Tourbillon, em Sion (Suíça)

Árbitro: Alain Bieri
Assistentes: Johannes Vogel e Remy Zgraggen

MARSELHA: Brice Samba; Rod Fanni, Diawara, Lucas Mendes, Morel, Abdullah, Cheyrou, André Ayew, Amalfitano, Jordan Ayew e Gignac.

FC PORTO: Helton; Fucile, Otamendi, Mangala e Alex Sandro; Fernando, Lucho (cap.) e Josué; Izmaylov, Kelvin e Jackson Martínez

Jogaram ainda: Fabiano, Danilo, Carlos Eduardo, Defour, Varela e Iturbe para os lugares de Helton, Alex Sandro, Josué, Lucho, Kelvin e Izmaylov (45m), Maicon, Abdoulaye, Herrera para os lugares de Otamendi, Fucile e Fernando (58m), Ghilas e Castro para os lugares de Mangala e Jackson (68m), Reyes, Tiago Rodrigues e Licá para os lugares de Defour, Varela e Carlos Eduardo (80m).
Treinador: Paulo Fonseca

Ao intervalo: 0-1
Marcadores: Izmaylov (29m), Jackson Martínez (56m) e Iturbe (76m)

quinta-feira, 11 de Julho de 2013

Pre-Season #1 - Mastricht,0 x FC Porto, 6

Foi um bom ensaio e que serviu para tirar barriga de misérias aos adeptos que desde Maio não viam o FC Porto em campo.

E serviu para milhares de emigrantes fazerem uma festa em torno do nosso FC Porto.

Holandeses tenrinhos, não deram para aquilatar muito da mais valia dos nossos jogadores. Mas serviram para tirar algumas conclusões.

1ª conclusão - há mais matéria prima e equilibrio na constituição do plantel que está a estagiar na Holanda, mesmo que sabendo que ainda devem sair alguns jogadores e que há 2 jogadores para chegar (Ricardo e Quintero).

2ª conclusão - PF priveligia menos a posse de bola que o VP mas, em compensação, parece-me que quer um futebol mais incisivo e, acima de tudo, mais produtivo em concretização.

3ª conclusão - parece-me que com PF haverá um plano B em constante trabalho, com uma organização diferente do meio campo (2+1 para lá do 1+2) e que parte disso tem a ver com os jogadores que tem agora disponíveis no meio campo (excesso de oferta após a escassez do ultimo ano).

Ficaram algumas boas notas individuais, como Alex Sandro, Jackson, Kelvin, Otamendi, Castro e Varela entre os antigos e Licá, Ghilas e Tiago Rodrigues entre os recém-chegados, para confirmar nos próximos jogos.


FICHA DE JOGO

FC Porto-MVV Maastricht, 6-0
Jogo de Preparação
10 de Julho de 2013
Estádio Spouwen Mopertingen, Bélgica

Árbitro: Christoph Virant
Assistentes: Kenens Yves e Gilen Bart

FC PORTO: Fabiano; Danilo, Maicon, Abdoulaye e Alex Sandro; Castro, Lucho e Josué; Varela, Licá e Ghilas
Jogaram ainda: Kadú, Fucile, Otamendi, Mangala, Kelvin, Fernando, Defour, Carlos Eduardo, Izmaylov e Jackson (45m) para os lugares de Fabiano, Danilo, Maicon, Abdoulaye, Castro, Lucho, Josué, Varela, Licá e Ghilas, Iturbe (55m) para o lugar de Alex Sandro e Tiago Rodrigues (75m) para o lugar de Carlos Eduardo.
Treinador: Paulo Fonseca

MVV MAASTRICHT: Castro; Verdellen, Knops, Stankov, Rutjes, Hyfte, Labylle, Braken, Veldmate, Ospitalieri e Njengo
Treinador: Tini Ruijs

Ao intervalo: 3-0
Marcadores: Varela (21m), Ghilas (23m), Castro (31m), Jackson (53m), Iturbe (65m, pen.) e Izmaylov (88m)

domingo, 7 de Julho de 2013

Plantel 2013-14: primeiras ideias

Agora que começou a época e que se encontra já a trabalhar a equipa, começamos a ter uma melhor ideia dos atletas que Paulo Fonseca (PF) terá à disposição para o ataque ao tetra.

Para já estão quase 30 atletas a trabalhar com PF, número que poderá subir na próxima semana com as previsíveis chegadas de Ghilas e Quintero e, talvez, Bernard.

Na baliza, está tudo definido, 3 jogadores: Helton, Fabiano e Kádu asseguram novamente as redes do FC Porto. Apesar de sonhada por PdC, não se afigura previsível a chegada de Rui Patrício, pelo que não deve haver mudanças neste posto...

Nas alas da defesa, a questão é saber se Fucile continua no plantel ou não. Na minha opinião, sim, deve continuar. Neste momento há 4 jogadores no plantel, naquele que deve ser o mais equilibrado grupo de laterais dos últimos anos: Danilo e Fucile à direita, Alex Sandro e Quiñones à esquerda.

No centro, há excesso de jogadores, pelo menos 6: Otamendi, Mangala, Maicon, Abdoulaye, Rolando e Reyes. Tendencialmente deverão sair 2, talvez Rolando e Abdoulaye, mas se PF diz que todos partem do zero, talvez possa haver ainda alguma surpresa, nomeadamente no que toca a Rolando poder ficar.

Como trinco continuamos a estar curtos: Fernando é o único especifico e não é certo que não saia ou que não comece a época contrariado por não ter saido, Castro e Defour são as alternativas mas com tipos e rotinas de jogo diferentes deste, pelo que continuamos "mancos" para esta posição. Continuo a achar que Castro deveria ser rotinado para a posição e que tem condições de se assumir como titular nessa posição na saída (ou baixas de forma e castigos) de Fernando

No miolo do terreno temos neste momento excesso de oferta, pela primeira ao fim de algumas épocas de racionamento, mas a saída de James e, em particular, de Moutinho, veio deixar um enorme vazio ali que será sempre muito difícil de preencher. Neste momento, as opções são 8 para 2 lugares: Lucho, Defour, Castro, Tiago Rodrigues, Herrera, Tozé, Izmaylov e Carlos Eduardo. No entanto, alguns destes jogadores podem cair nas alas e não é certo que os mais novos (Tiago Rodrigues e Tozé) fiquem no plantel principal ou sequer na equipa B, podendo ser emprestados para rodarem. E poderá ainda chegar mais um atleta para o miolo, o colombiano sub20, Quintero, se bem que ele também possa jogar nas alas, para emular totalmente James... Prevejo muitas saídas aqui nestas posições.

Nas alas há também um excesso de atletas, apesar de não termos nenhum "topo de gama". Neste momento, há 7 atletas: Varela, Atsu, Iturbe, Kelvin, Ricardo, Licá e Josué, se bem que Licá possa ser usado no centro do ataque. Não é certo que Atsu fique, nem que seja autorizado por PdC a ser usado mesmo que fique, pelo para além do ganês. pelo menos mais 2 jogadores devem sair ou serem "deslocados" para os B's e eu diria que Kelvin e Ricardo são os principais candidatos. Há ainda, no entanto, uma situação em aberto: a possível vinda de Bernard, o "topo de gama" chegado da selecção do Brasil por cerca de 20 milhões de Euros, segundo os jornais anunciam, o que forçaria mais algum dos elementos a sair.

Por fim, na frente do ataque, há neste momento apenas 1 atleta: Jackson. No entanto, nas próximas horas deve ser oficializado o franco-argelina Ghilas, que também pode ser usado nas alas, mas que será, pelo que se viu na sua época do Moreirense, uma boa alternativa (e até parelha) a Jackson. Se Vion e Gonçalo Paciência se mantiverem na B e assumirem mais vezes a titularidade esta época, poderão ser ainda alternativa para certos jogos, têm ambos imenso potencial, penso que estaremos bem servidos no ataque, desde que nenhum tubarão se lembre de nos vir buscar o Jackson em cima do encerramento do mercado, como aconteceu com Falcao e Hulk em épocas anteriores....

Com as entradas certas de Reyes, Herrera, Carlos Eduardo, Josué, Licá e possivelmente de Ricardo e Tiago Rodrigues, com possíveis regressos de Fucile, Rolando e Iturbe, com a possível subida de Tozé e com as prováveis chegadas de Ghilas e Bernard, são 13 potenciais reforços para a nova época.
Como ainda só saíram James, Moutinho e Liedson do plantel da época passada, diria que há pelo menos uns 9 ou 10 jogadores que ainda poderão não conseguir integrar o plantel principal de ataque ao tetra.

Resumo:
GR (3) - Helton, Fabiano e Kádu;
Laterais (4) - Danilo, Fucile, Alex Sandro e Quiñones;
Centrais (6) - Otamendi, Mangala, Maicon, Abdoulaye, Rolando e Reyes;
Trincos (1) - Fernando;
Miolo (8+1) - Lucho, Defour, Castro, Tiago Rodrigues, Herrera, Tozé, Izmaylov, Carlos Eduardo (e Quintero);
Alas (7+1) - Varela, Atsu, Kelvin, Iturbe, Licá, Ricardo, Josué (e Bernard);
Ponta de lança (1+1) - Jackson (e Ghilas)

E qual seriam os vossos escolhidos para o plantel?